domingo, 22 de novembro de 2015

Luís Correia: Descaso com dinheiro público, material didático abandonado em escola fechada

Município de Luís Correia litoral do Piauí, é na comunidade Brejinho que se encontra abandonado um prédio público em perfeito estado para uso, ali funcionou até recentemente a Escola Municipal Romana Gos que suportava crianças de toda aquela área, no entanto a Prefeitura de Luís Correia fechou o prédio argumentando que a instituição não tinha alunos suficientes para lecionarem aulas.
Ao receber as denúncias, nossa equipe de reportagem esteve no local para apurar os fatos e chegando até a escola constatamos que realmente o lugar está fechado e sem atenção nenhuma do poder público. Escondida atrás de um matagal a construção está intacta e poderia servir para outros fins, como a própria população lembra. “Já que dizem que não tem alunos, porque não transformam em um posto de saúde ou não merecemos ter saúde digna” dizia Pedro da Silva morador revoltado. Ressalta-se que para conseguir contato com um médico, os moradores daquela área precisam percorrer pelo menos 20km.
O caso é mais sério, conseguimos ter acesso ao interior do prédio e registramos um verdadeiro descaso com a gestão pública e irresponsabilidade com o dinheiro do povo. Encontramos ‘jogados’ em baixo de poeira e servindo de alimentação para cupins centenas de livros didáticos em perfeito estado, a maioria deles embalados e nunca usado. Material de limpeza, brinquedos, enfim, matérial que custaram para ser adquiridos e que estão sem serventia e foram deixados para trás pela gestão municipal.
Assista o vídeo:
Depois de fechar a escola, nenhum servidor do município esteve no lugar, pelo contrário foi deixado todo o material escolar, inclusive materiais doados pelo Fundo Nacional de Educação do Governo Federal. Fichas escolares, notas e outros documentos também até então, estavam jogados na antiga escola.
Segundo moradores da comunidade, a ordem de fechamento da escola foi devido à falta de alunos, mas as crianças que moram no local diariamente se deslocam cerca de 15km caminhando para poder estudar. A revolta dos moradores é grande, pois “não há nenhum tipo de melhoria nos últimos anos e para completar ainda foi retirada a instituição de ensino que vez ou outra recebia festividades e ações sociais”.
Roberto William | Folha da Parnaíba