quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Falta de efetivo e de equipamento gerou crise na segurança, avalia Abreu

O ano de 2015 foi conturbado em vários aspectos, incluindo a área da segurança pública para o Piauí. O secretário de Segurança do Piaui, Fábio Abreu, teve que gerenciar crises, que tem como causa desde a falta de efetivo até a escassez de equipamento de trabalho.
Para o secretário, a polícia cumpriu seu papel, atuando na capital e nos municípios do interior, na apreensão de drogas, investigações, prisões. “É preciso avaliar a situação de dificuldades, nesse ano em que a crise ficou mais acentuada”, disse o secretário. Ele disse que a crise tem sido determinante para situações de desagrado, como a falta de recursos, principalmente recursos humanos. 
Fábio Abreu fala das dificuldades mas se mantém otimista para 2016. “Nós tivemos um decréscimo de 10% no número de homicídios e já é um ponto positivo”, falou. Porém, admite que os registros de roubo deram um salto de 6% em relação ao ano de 2014. O secretário alerta que os números mais robustos podem ser fruto de uma campanha pela transparência. “Divulgamos corretamente esses números sem mascarar”, explicou. 

Outro fator para o aumento pode ser, segundo ele, porque a população está procurando mais as delegacias para o registro de boletim de ocorrência. “ A população precisa entender que é importante registrar para que tenhamos um diagnóstico da situação”, salientou.
Em 2016, o efetivo da Polícia Militar e da Civil deve aumentar, segundo avaliação do secretário. “Vamos otimizar a segurança pública. São 365 policiais militares e mais de 200 policiais civis que passarão a integrar as corporações”, adiantou.
Na batalha pela otimização, Fábio Abreu disse que novos equipamentos serão adquiridos, bem como serão reformadas algumas delegacias e quartéis. Ele garantiu que o recurso financeiro já está liberado e que as ações começam logo nos primeiros dias úteis de 2016.
Fazendo um balanço de 2015, o secretário disse que considera positivo o saldo e que a contribuição da Força Nacional foi muito importante, principalmente em momentos de crise. E citou que recentemente os policiais tiveram que enfrentar problemas no presídio, por conta dos presos revoltosos. “A Força Nacional dispunha de equipamentos e grupamento específico para essa finalidade”.
Fonte:Portal AZ