quarta-feira, 2 de março de 2016

Ex-atacante piauiense, Leonardo, morre após um mês internado no PE

Na tarde desta terça-feira (01) foi divulgada neurocisticercose, doença provocada pelo consumo de carne de porco indevidamente preparada. Segundo informações da assessoria do Hospital da Restauração, nos últimos dias o ídolo do Sport apresentava febre e tomava os remédios necessários para tentar baixá-la.
A morte de Leonardo, ex-atacante piauiense, terceiro maior artilheiro do Sport. Ele foi diagnosticado com um quadro de 
Internado desde o dia 03 de fevereiro, Leonardo, de 41 anos, apresentou convulsões e queixas neurológicas, não conseguindo superar a doença. 
Leonardo é o terceiro maior artilheiro da história do Sport com 133 gols. Em Pernambuco, o ex-atleta também jogou por outros clubes como Santa Cruz, Central e Sete de Setembro.
A HISTÓRIA


Natural de Picos, no Piauí, Leonardo quase escreveu sua história no Recife em outras cores. Em 1994, ele iria se transferir para o Santa Cruz. O Sport, contudo, entrou no meio da negociação e trouxe o jogador para a Ilha do Retiro. Mal sabiam os diretores rubro-negros na época que estavam trazendo um dos maiores jogadores da história do clube. Rápido e com faro artilheiro, Leonardo caiu rápido nas graças da torcida. Tanto que sua primeira passagem na capital pernambucana durou pouco tempo. Em 95, se transferiu para o Vasco junto com o meia Juninho Pernambucano. A trajetória dos dois, porém, mudou no Rio de Janeiro. Por conta da falta de pagamento do Vasco, Leonardo teve que deixar São Januário e voltar ao Sport, que emprestou o jogador para o Corinthians. No clube paulista, chegou a jogar a Libertadores, maior competição internacional da América do Sul.

Mas o destino insistia em fazer Léo voltar a vestir as cores rubro-negras.
Leonardo ainda passou pelo Palmeiras antes de retornar para a Ilha do Retiro. No Sport novamente, viveu os maiores momentos de sua carreira. Conquistou o Pernambucano três vezes seguidas, ajudando o Leão a obter o primeiro pentacampeonato, e levantou sua segunda Copa do Nordeste. Além disso, colaborou com boas campanhas nacionais dos rubro-negros. Em 2000, o Sport acabou em segundo lugar na primeira fase da Copa João Havelange. Na última rodada, o já ídolo da torcida mostrou todo o seu poder de fogo ao marcar cinco gols na goleada do Leão de 6×0 sobre o Atlético-MG, em pleno Mineirão. Foi uma das maiores apresentações de Leonardo com a camisa do clube pernambucano. Na mesma temporada, o Sport ainda foi vice-campeão da Copa dos Campeões e quase foi para a Libertadores.
Os momentos de glória, todavia, foram interrompidos depois de 2000. Com uma administração instável fora das quatro linhas, o Sport não conseguiu montar bons times em 2001 e Leonardo deixou a Ilha rumo ao Cruzeiro. Na Raposa ele não foi bem e teve atuação apagada. Depois disso, viveu dias de andarilho no futebol, chegando inclusive a voltar para o Recife e vestir as cores do…Santa Cruz. Mas o brilho não foi o mesmo como com as cores rubro-negras. O tempo já começava a cobrar do atacante, que se aposentou no modesto Afogadense, do interior de Pernambuco. Um fim modesto para quem tanto fez nos gramados.
A história de Leonardo pode não ter sido de glórias mundiais. O atacante também esteve um pouco distante do mesmo brilho do amigo Juninho, que jogou Copa do Mundo e foi campeão na Europa. Mas isso pouco importa para os rubro-negros, que sempre vão ter Leonardo como um dos maiores, seja contra quem for. Os 133 gols e as inúmeras taças estão aí para provar isso. A carreira do atacante pode não ter estourado nacionalmente, mas nem por isso ele deixou de trazer alegrias para uma nação. E neste caso era a nação que importava para Leonardo, um torcedor confesso.
Fonte: Meio Norte