terça-feira, 19 de abril de 2016

Cacique denuncia morte de seis índios de sua aldeia e cobra mais políticas públicas no Piauí

Índios entregaram carta ao governador com exigências sobre demarcação de terras e políticas de saúde e educação
Representantes de aldeias indígenas do Piauí estiveram no Palácio de Karnak nesta terça-feira (19) para participar de solenidade em homenagem ao Dia do Índio, e aproveitaram para cobrar do governador Wellington Dias (PT) a demarcação de terras, bem como políticas públicas de saúde e educação. Eles entregaram uma carta com uma série de reivindicações.
O cacique dos povos indígenas de Piripiri, José Guilherme, denunciou a morte de seis índios da sua aldeia. “Morreram à míngua. Quando a gente adoece, chegamos em Piripiri e mandam logo para Teresina. A gente precisa de um posto de saúde que atenda o nosso povo”, reivindicou o índio.
Ele ainda destacou os problemas na demarcação dos territórios indígenas. Referindo-se diretamente ao governador, o cacique ressaltou que precisa que algo seja feito. “São 12 anos de luta, não 12 dias. O meu povo é o dono das terras e está sofrendo. Você também passou por dificuldades, você é parente nosso”, disse José Guilherme.

A cacique Francisca Cariri, de Queimada Nova, falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos jovens para o acesso à educação. "Nós estamos aqui cobrando os nossos direitos. Ainda estamos desassistidos das políticas públicas. Nossos jovens estão sem estudar porque não têm transporte para eles irem à escola”, lamentou a índia.
Hoje, foi feito o lançamento do projeto “O Piauí tem índio sim” e ainda apresentada a Comissão Técnica do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI-PI). O estudo que baseou o projeto foi realizado nos municípios de Lagoa de São Francisco, Queimada Nova e Piripiri, onde residem 178 famílias que se identificam como índios.
Segundo o governador Wellington Dias, o Estado tem tomado medidas independentes da Fundação Nacional do Índio (Funai), que é ligada ao Governo Federal. “Hoje nós assinamos dois atos. Uma é a autorização para pesquisa a ser feita pela Uespi e pela Ufpi, com o objetivo de identificar as comunidades indígenas do Piauí. O outro foi a criação do Distrito de Saúde Indígena”, disse Wellington.
Sobre a regularização das terras, o governador destacou que é importante o reconhecimento da propriedade para que os índios possam ser beneficiados com pagamentos oriundos dos investimentos eólicos que estão sendo feitos em algumas regiões do Piauí.
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que no Piauí existem 1.333 índios distribuídos nas cidades de Teresina, Lagoa de São Francisco, Queimada Nova, Piripiri, Pedro II, Piracuruca, Milton Brandão, Domingos Mourão, Parnaíba, Oeiras, Floriano, Picos, São Raimundo Nonato, Bom Jesus, São João do Piauí e Amarante.
Fonte: Portal O DIA