terça-feira, 26 de abril de 2016

Homem não aceita separação e acaba preso sob acusação de estupro contra a própria esposa em Cocal

                           Na foto: Leonardo Junio Pereira Borges, de 29 anos
A policia militar prendeu na manhã desta terça-feira (26/04), um homem identificado como Leonardo Junio Pereira Borges, de 29 anos, sob acusação de estupro, injúria e ameaça contra a própria companheira, uma mulher de 39 anos. Leonardo é natural de Goiânia-GO, e estava residindo no Bairro Ulisses em Cocal há menos de um mês. 
A vitima procurou a Delegada Daniella Dinali na manhã do dia anterior a prisão do homem [segunda-feira (25/04)] e denunciou os supostos abusos. De acordo com a mulher, as brigas entre o casal eram constantes por conta do marido não aceitar o pedido de separação. O homem então passou a violentá-la sexualmente mediante o emprego de insultos e ameaça.

Na manhã desta terça-feira (26/04), a mulher se dirigiu novamente a Delegacia de Policia Civil de Cocal e informou às autoridades que foi violentada pelo homem durante a madrugada. A policia militar foi acionada, prendeu o suspeito e o conduziu ao distrito policial, onde foi lavrado o flagrante e também encontra-se recolhido a disposição da justiça. A mulher foi encaminhada pela policia civil ao IML (Instituto Médico Legal) de Parnaíba, onde será submetida a exame de conjunção carnal. 
De acordo com a delegada, para a configuração do estupro não há, necessariamente, a coleta de provas físicas que demonstrem lesões ou indícios. "A palavra da vítima é uma prova eficaz para a comprovação da prática, corroborada pelas demais provas e fatos. No caso em questão, além do depoimento da vitima sobre a conduta agressiva e usual do homem, ele foi preso em flagrante delito", explica. 
Em sua defesa, Leonardo alegou que houve apenas uma troca de ofensas e logo em seguida, a mulher teria aceitado praticar o ato sexual. Contudo, a autoridade policial explicou que mesmo sem a vítima oferecer resistência física, o crime de estupro é caracterizado, já que, de um lado, houve a conduta opressora e agressiva do acusado; de outro, a conduta de submissão e medo da vítima.
Fonte: Blog do Coveiro