domingo, 15 de maio de 2016

Justiça determina transferência imediata de bebê para cirurgia cardíaca fora do Piauí

A juíza da 1ª Vara da Infância e da Juventude de Teresina, Maria Luiza Freitas, determinou a imediata transferência de uma menina recém nascida, com pouco mais de um mês de vida, para qualquer hospital do país em condições de realizar cirurgia cardíaca pediátrica. A criança nasceu no dia 9 de abril na Maternidade Dona Evangelina Rosa, em Teresina, e será o terceiro bebê piauiense a receber o tratamento após determinação judicial. Segundo o conselheiro tutelar Djan Moreira, pelo menos duas crianças nascem por mês com alguma grave cardiopatia congênita no Piauí. 
Djan declarou que a determinação já foi expedida pela juíza e que agora os pais da criança, o Conselho Tutelar e a Comissão em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da OAB/PI aguardam o cumprimento por parte da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). 
"Sabemos que as chances são pequenas, os médicos dizem isso, mas vamos deixar essas crianças morrerem? O que os médicos cardiologistas informaram ao Conselho é que nascem no Piauí, por mês, pelo menos duas crianças com esse problema. Aqui, nenhum hospital faz essa cirurgia. O único hospital particular que faz, determina um peso mínimo para que a criança possa ser submetida. Isso já atrasa muito a chance de sucesso. Quanto mais cedo, maior a possibilidade de dar certo", explicou o conselheiro. 

Ele disse que esta já é a terceira criança que necessita da atuação do Conselho Tutelar e da OAB para o procedimento. As outras duas, que tiveram custeado o trajeto por meio de UTI aérea e o tratamento, foram encaminhadas aos estados de Goiás e Pernambuco. 
"A criança que foi atendida em Goiânia passou pela cirurgia tem cerca de duas semanas, está bem, se recuperando, já está na UTI e apresenta boa evolução. O outro bebê teve um quadro de infecção e os médicos estão primeiro controlando esse problema. Como é um procedimento delicado, a criança deve estar com a melhor saúde possível", explicou. 
Embarque do bebê que passou por cirurgia em Goiás
O problema cardíaco nos bebês, sem atendimento, levou à morte o bebê Esdras Viana, em fevereiro deste ano. Ele também nasceu na Evangelina Rosa.
Agora, além dos pedidos de transferência imediata das crianças que precisem deste atendimento, o Conselho e a OAB solicitam que a Sesapi passe a oferecer o atendimento ao problema dentro do estado. Contudo, o procedimento é caro e necessita de grande estrutura hospitalar para ser realizado. 
cidadeverde.com