quinta-feira, 9 de junho de 2016

Acidente que matou 18 pessoas em SP registra piauiense entre vítimas

Ônibus que levava estudantes ficou completamente destruído (Foto: Reprodução / TV Tribuna)
O piauiense Aldo de Sousa Carvalho, que cursava Engenharia, é uma dos 18 mortos no acidente que ocorreu por volta das 23 horas desta quarta-feira (8), na rodovia que liga as cidades de Mogi das Cruzes e Bertioga.
"Estamos todos abalados, é uma tragédia horrível", afirmou um tio de Aldo, em entrevista à imprensa. O estudante Wanderson da Silva, um dos sobreviventes, afirmou que os passageiros notaram que algo estava errado momentos antes do acidente ocorrer, pois o motorista fez algumas manobras bruscas, aparentemente tentando controlar o veículo. Wanderson e os outros passageiros viajavam todos os dias até Mogi das Cruzes, para estudar em faculdades do município.

"Ele [o motorista] estava indo na mesma velocidade, como ele vem todos os dias, só que aconteceu dele perder o controle do ônibus. Ele fez acho que umas seis ou sete curvas para ver se conseguia dominar o ônibus. Todo mundo ficou desesperado. Alguns começaram a olhar pra fora, outros começaram a gritar [...] Depois começaram a falar: 'põe o cinto, põe o cinto!', aí eu peguei e já coloquei o cinto. Na hora que eu senti que o ônibus ia bater eu agarrei com força na poltrona e foi uma pancada só. Depois que bateu, tinha umas pessoas por cima de mim. Uma delas era a menina que costumava sentar do meu lado", detalha o estudante, que estava sentado numa poltrona da terceira fileira atrás do motorista. 
Após as curvas relatadas por Wanderson, o ônibus bateu numa rocha e tombou. Além do motorista, 17 estudantes morreram no acidente, e mais 28 pessoas ficaram feridas.
O acidente foi tão violento que o reconhecimento de 11 dos 18 corpos só foi possível através das impressões digitais.
A Polícia suspeita que, no momento do acidente, o ônibus trafegava com velocidade acima da permitida para o trecho da rodovia.

O local onde ocorreu o acidente é um trecho considerado muito perigoso. Por ser uma região de serras, há uma grande quantidade de curvas e a presença de neblina é rotineira. 
Portal O Dia