sábado, 4 de junho de 2016

Idosas são presas por participação em esquema de fraudes bancárias no PI

Cinco foram presos por participação em um esquema de fraude com documentos falsos. Entre elas, duas idosas e duas senhoras com mais de 50 anos. Em uma investigação que começou pela manhã e se estendeu por toda a tarde de sexta-feira, os Policiais do 6º DP desarticularam um esquema de fraude bancária que envolvia duas idosas e duas senhoras acima de 50 anos, além de um homem mais jovem. Segundo o chefe de investigação Joatan Gonçalves, os suspeitos usavam documentos falsificados para conseguir empréstimos e outras transações bancárias.
O investigador explica que as senhoras recebiam documentos de outras pessoas, mas falsificados com fotos delas. “Elas iam ao banco com esses documentos e se passavam por essas pessoas, para fazer todo tipo de transação bancária”, disse. Segundo Joatan, os donos dos documentos são outros idosos, possivelmente moradores de zona rural e até pessoas já falecidas.
Joatan conta que as senhoras foram flagradas por um “vacilo” nas datas de expedição que constavam nos documentos falsos. “Os documentos tinham a mesma data de expedição. Então o pessoal do banco reparou que havia algo errado, pois é muito difícil a pessoa fazer RG e CPF no mesmo dia. Então chamou a polícia”, disse.

Durante o depoimento, as acusadas teriam revelado que eram agenciadas, e que cada uma receberia R$ 200 para cometer a fraude. O valor substancial conseguido no crime ficaria então com o agenciador. “Esse agenciador é quem fica com o dinheiro. Elas são só as pessoas que botam a cara a tapa”, comentou o investigador Joatan Gonçalves. A polícia investiga quem seria esse agenciador.
As acusadas informaram em depoimento que são vizinhas, e moram na cidade de Codó. As quatro senhoras e o jovem presos podem responder pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa.
Notas Falsas
Ainda durante a abordagem, os policiais decidiram averiguar a situação do carro que se estava com o jovem, o único homem participante do grupo. Segundo o investigador Joatan, foi descoberto que o automóvel, um Chevrolet Celta, seria o mesmo usado para distribuir notas de dinheiro falsas na região do polo de Saúde de Teresina. Entretanto, não foram encontrados maiores indícios desse crime.
“Ele nega e não encontraram notas falsas com ele. Também não encontramos nenhuma vítima até agora para dar depoimento.”, explicou Joatan. “Mas quando aparecer uma vítima, já temos um suspeito, e isso pode gerar uma nova investigação”.
Fonte: Portal o DIA