segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Cavalos do hipismo chegam ao Rio de 'classe executiva' em aviões de luxo

Para grande parte das pessoas no mundo, viajar de avião não é exatamente algo confortável. Cadeiras apertadas, comida sem sabor e falta de espaço para descansar fazem parte da rotina de quem se desloca ao redor do globo a bordo de aeronaves. Mas a realidade não foi exatamente esta para 34 viajantes que chegaram ao Rio vindos de Londres para os Jogos Olímpicos. Eles tinham espaço de sobra, em baias individuais e personalizadas. 
Legumes e frutas frescas, além de água ou suco de maçã, foram servidos durante as quase 12 horas de vôo. Todo esse tratamento VIP não foi destinado a autoridades ou a algum atleta, mas sim aos cavalos que irão participar das provas de hipismo nos Jogos Rio 2016.
O tratamento diferenciado se justifica. Fruto de linhagens puras e de raças nobres, um cavalo que compete em alto nível é avaliado em milhões de euros. Tanto que o avião que os trouxe ao Brasil foi projetado especialmente para o transporte dos animais. Além do peso dos próprios cavalos - cerca de meia tonelada cada -, o avião trouxe quase dez toneladas em equipamentos. 

O vôo trouxe cavalos de 10 nações diferentes (Grã-Bretanha, Irlanda, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Zimbábue, Brasil, Japão, Itália e China), entre eles Chilli Morning, montaria do britânico William Fox-Pitt, dono de três medalhas Olímpicas. 
Durante a viagem, cuidados especiais foram tomados, como o uso de bandagens para aquecer as patas dos animais e acompanhamento de veterinários para neutralizar qualquer tipo de alteração. Mas no fim, tudo correu bem. "Eles se alimentaram, se hidrataram bastante e se comportaram bem durante a viagem", disse Nathan Anthony, veterinário da equipe australiana que acompanhou os cavalos do país no voo.
Após o desembarque, os animais foram transportados em quatro caminhões, que seguiram em comboio do terminal de cargas do Galeão até o Centro Olímpico de Hipismo, em Deodoro. Lá, encontraram mais luxo: o local foi totalmente reformado e conta com baias customizadas para que eles possam descansar, amenizando o desgaste das horas dentro do avião. 
Ao todo, serão nove vôos, totalizando 236 animais que vão competir nas provas individuais e por equipes de CCE (Concurso Completo de Equitação), Adestramento e Saltos dos Jogos Rio 2016.
Segundo o "Global News", os animais são tratados "como atletas". Os custos dessa operação são altos. De acordo com reportagem do "Horse and Hound", do Reino Unido, especializado nesse segmento, é o Comitê Rio 2016 quem bancou o traslado. 
Site brinca com montagem de cavalos sentados em poltrona a caminho do Rio (Foto: Divulgação FEI)
Trata-se de um compromisso com o Comitê Olímpico Internacional (COI). Essa medida começou em Sydney 2000. Antes disso, os Comitês Nacionais pagavam a conta. Procurado pelo GloboEsporte.com, o Comitê Rio 2016 não falou em valores da operação.
A FEI divulgou um release em que fez uma montagem de um cavalo na poltrona do avião a caminho dos Jogos Olímpicos. Também fez algumas brincadeiras como filmes preferidos que os atletas equinos preferem como "O encantador de cavalos" e "Seabiscuit - alma de herói".
cidadeverde.com