sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Manifestante pró-Dilma tem olho perfurado e perde a visão após confronto com a Polícia Militar de SP

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo vai procurar a jovem que teve o olho esquerdo perfurado por bomba disparada pela Polícia Militar (PM), durante ato contra o governo Michel Temer na quarta-feira (31), no Centro da capital paulista, para que ela registre boletim de ocorrência do caso.
De acordo com pessoas ligadas à pasta, a Polícia Civil precisa ouvir a estudante Deborah Gonçalves Fabri, de 19 anos, para investigar como a universitária se feriu. Somente assim, será possível tentar identificar e, eventualmente, responsabilizar quem a machucou. A jovem passar por exame de corpo de delito nesta sexta-feira (2).
Deborah Fabri foi ferida no olho esquerdo durante ato contra o governo Temer em São Paulo (Foto: Mel Coelho /Mamana Foto Coletivo)
"A SSP entrou em contato com a Universidade do ABC, onde estuda Deborah Fabri, para que sejam oferecidos os meios necessários para a localização dela e para que a Polícia Civil possa registrar o fato em que ela alega ter se envolvido e dar início às devidas investigações, uma vez que ela não registrou o boletim de ocorrência", informa nota enviada ao G1 pela assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança.
A estudante postou no Facebook que ficou cega. "Oi pessoal estou saindo do hospital agora. Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo mas estou bem. Obrigada pelas mensagens e apoio logo logo respondo todos!!!"

Procurado pelo G1, o Hospital de Olhos Paulista, que atendeu e operou Deborah, informou que exames futuros vão determinar se ela perdeu a visão. Devido a gravidade do ferimento, as possibilidades de a universitária voltar a enxergar não são grandes.
"Pela extensão das lesões, o prognóstico visual é bastante reservado, bem grave. As chances são pequenas para recuperação da visão", disse o doutor William Fidelix, diretor operacional do hospital.
De acordo com o boletim médico do hospital, a paciente "foi internada em nosso serviço às 2h37 do dia 1º de setembro de 2016, com trauma na região da face, escoriações nas pálpebras e região malar esquerda, e lesão perfuro contusa no olho esquerdo". Deborah passou por cirurgia de urgência. O hopital também disse que "por ser tratar de um procedimento de alta complexidade oftalmológica, o prognóstico requer cuidados especiais".
Ouvidoria
A Ouvidoria da Polícia de São Paulo informou à reportagem que pedirá para o Ministério Público (MP) apurar a ação da Polícia Militar (PM) que feriu Deborah.
"Vou acionar o Ministério Público para pedir que apure o crime de lesão corporal de natureza gravissima cometido por policiais contra essa garota. É preciso identificar o responsável por isso", disse o ouvidor Julio Cesar Fernandes Neves.
Ele disse que também irá acionar a Secretaria da Segurança Pública (SSP) e a Corregedoria da PM para investigar a conduta dos policiais por suspeita de terem cometido outros excessos durante confronto com manifestantes.
Vídeos e fotos circulam na internet mostrando pessoas feridas no confronto entre policiais e manifestantes durante a caminhada do grupo contrário ao governo de Michel Temer (PMDB).
"É notório que houve excesso da PM. Basta analisar as imagens", disse o ouvidor, que acha que o conflito poderia ter sido evitado. "É necessário que haja cautela de ambas as partes, principalmente da PM".
Um vídeo postado na web mostra PMs cercando um dos dois fotógrafos detidos por suspeitas de atirarem pedras no ato e tirando dele um objeto, que em seguida é chutado pelo policial. Depois, alguém fala que a máquina fotográfica de um deles foi quebrada.
Nas imagens de um cinegrafista amador, um carro branco atropela um grupo de manifestantes. Uma jovem ficou ferida e é socorrida pelos colegas. 
Jovem postou em rede social que perdeu a visão do olho esquerdo após ser atingida em ato contra Temer (Foto: Reprodução/Facebook)
Fotografias compartilhadas nas redes sociais também mostram o resultado da intervenção policial: pessoas sangrando, com ferimentos pelo corpo. Um homem aparece com um curativo no olho esquerdo dentro da sala de um hospital.
O G1 procurou as assessorias de imprensa do MP e da PM para comentarem o assunto e se tomarão medidas para apurar a conduta dos policiais durante o protesto. Até a publicação desta matéria, os órgãos não haviam se posicionado.
Fonte: G1