domingo, 16 de outubro de 2016

População reúne doações para vítimas das queimadas no PI

Às 9h da manhã do domingo (16), a população saiu de casa, enfrentou os 26º que já desmontavam nos termômetros da cidade e se dispôs arrecadar doação para as vítimas das queimadas que vem acontecendo durante todo o mês de outubro no estado. Quem passou pela Avenida Presidente Kennedy, percebeu a multidão de pessoas que se solidarizaram e estavam dispostas a ajudar.
Entre a multidão de pessoas, a pequena Ana Dalisia também fazia sua contribuição. Com apenas 4 anos de idade, ela conta o que sentiu quando soube que o fogo tinha destruído os brinquedos de outras crianças. “Eu vi que isso não era legal. A gente que tem muitos brinquedos, precisar dar para outras pessoas que não tem”, relata.
A arrecadação de mantimentos, roupas e utensílios domésticos se deu a partir de uma postagem do jornalista Vinicius Vainner no último dia 13. “Essa campanha começou no facebook e não sabíamos a proporção que tomaria por causa da foto. A população de uniu e quando vimos a imagem já tinha rodado o país inteiro e estamos arrecadando doações de todo Brasil”, explica.
O registro da senhora chorando em frente a sua casa destruída pelo fogo já conta com 7,5 mil curtidas e mais de 3 mil compartilhamentos. Além da iniciativa de Vinicius, outras pessoas também se mobilizaram para arrecadar doações, entre elas a jovem estudante de jornalismo, Nayrana Meireles, que criou um posto de arrecadação na UFPI, onde estuda. “Falei com um amigo e ele me sugeriu que eu levasse as doações para o ponto de encontro na [avenida presidente] Kennedy, mas vamos fazer outro ponto de arrecadação no parque da cidadania e depois quero visitar as famílias”, conta.
Wallison Alberto também se sentiu tocado pelo sofrimento das famílias e por isso, resolveu criar um ponto de arrecadação na sua própria casa. Junto com a esposa e contando com a ajuda de amigos da mesma comunidade cristã, ele conta que chorou quando quando soube da situação em que as família se encontram após perder seus bens para o fogo. “Sempre fui muito sensível com a causa do próximo e eu sinto que o amor de Deus que me motivou a querer ajudar as pessoas, levo isso como princípio na minha vida”, explica.
Os clubes e grupos de pessoas que já fazem ações nesse sentido também contribuiram. Roberto Bittencourt, presidente do clube do fusca, conta que os membros sentiram essa necessidade após ver o incêndio de perto. “Nós fizemos uma viagem a Altos e constatamos que próximo à estrada tinha incêndio e que estava atingindo casas, após saber através da imprensa que famílias tinham perdido tudo, nós nos reunimos e trouxemos mantimendos e roupas pra tentar amenizar a vida dessas pessoas que já sofrem tanto”, explica.
100% DOS INCÊNDIOS SÃO CAUSADOS PELO HOMEM
Durante a primeira quinzena de outubro foram registrados incêndios de grandes proporções em diversos municípios do Piauí, entre eles Santana do Piauí, União e Teresina bem como a zona rural. Durante todo o dia, a Capital pode ser vista coberta pela fumaça.
De janeiro a outubro ocorreram 60.489 focos de incêndio, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O diretor de engenharia, Major José Veloso enfatizou que 100% dos incêndios no Estado são causados pelo homem. "Temos essa situação atípica de uma seca que já vem há cinco anos e isso tem criado uma massa combustível na vegetação muito grande e que tem provocado essa capacidade de propagação maior. A gente sempre reforça que esses incêndios são todos provocados pelo homem, ou seja, 100% da ação humana, infelizmente. Estamos sendo inimigos de nós mesmos. Isso tem provocado uma sobrecarga na estrutura de resposta do Corpo de Bombeiros", disse.
A umidade relativa do ar é que proporciona que o foco se alastre. Em alguns dias, a mínima registrada foi chegou de 12%, o que significa dizer que o estado é de alerta. Neste período são comuns problemas como complicações alérgicas e respiratórias devido ao ressecamento de mucosas, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos, eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos; aumento do potencial de incêndios em pastagens e florestas.
Meio Norte