sábado, 5 de novembro de 2016

Aos 66 anos, aposentada faz Enem pela 1ª vez: 'Quero ser advogada'

Maria tem 66 anos e estuda até seis horas por dia para fazer o Enem em Porto Velho (Foto: Hosana Morais/G1)
Aposentada e com 66 anos, Maria Helena Gonçalves da Silva fará pela primeira vez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em Porto Velho, embora ainda esteja cursando o primeiro ano do Ensino Médio, ela deseja ingressar na faculdade de Direito e realizar seu sonho de ser advogada. Após voltar a estudar em 2014 através do Ensino de Jovens e Adultos (EJA), Maria traça seu caminho para entrar na faculdade. Para ir bem nos dois dias de prova do Enem, ela diz estudar até seis horas por dia, principalmente redação e matemática, disciplinas em que mais sente dificuldade.
Já em português, Maria afirma que se dá muito bem. Com apoio dos filhos e dos netos, ela sai de casa por volta das 18h para chegar mais cedo na aula. 
"Eu chego cedo à escola, eu estudo com um genro e um neto. Tudo que eu preciso eu tenho apoio, quando eu não sei alguma disciplina eu peço ajuda, minha filha me ajuda, meus netos ou ainda amigos mesmo, ajudam. Às vezes eu começo a estudar às 4h da manhã e vou até 10h ou 12h, depende muito da hora que eu acordo", disse Maria.
Maria pretende treinar no Enem de 2016 para ir bem nos próximos anos e ingressar na faculdade. "Eu quero fazer Direito, pois é meu sonho desde criança. Eu pedi para um dos meus filhos fazerem essa faculdade, mas nenhum deles seguiu esse caminho. Por isso, agora eu vou realizá-lo. Sei que quando eu entrar na faculdade posso estar com 68 anos, não sei se eu me formo, mas que eu vou cursar e realizar meu sonho, eu vou", afirma Maria.

Antes de voltar a estudar, Maria já gostava de ler livros de diferentes disciplinas. "Eu sempre gostei de estudar e de ler, mas só há dois anos atrás consigo voltar à sala de aula e agora já estou no ensino médio", completa.
A estudante já foi até a escola onde fará o Enem pela primeira vez (Foto: Hosana Morais/G1)
Logo que voltou a estudar, por conta de um acidente, quase desistiu de novo, mas ela pensou duas vezes antes de parar de novo. "Eu estava travessando a faixa de pedestres quando fui atropelada. Caí e quebrei a mão, fui levada ao hospital e passei por uma cirurgia. Quando estava internada eu pedi para que meus filhos levassem meus livros, pois assim continuaria estudando. Uns dias depois eu recebi alta e começava a semana de prova, embora eu estivesse de atestado eu ia do mesmo jeito para aula sentindo dor. Nunca desisti de seguir estudando", disse.
Para não perder a hora, Maria pretende chegar ao local da prova às 9h30, horário de Rondônia. "Eu sei que aqui os portões abrem depois, mas eu quero chegar cedo, pois imprevistos acontecem e eu não quero perder essa oportunidade, no feriado do dia 2 deste mês fui até a escola onde farei a prova já para saber onde fica e não errar. Estou super ansiosa", finalizou Maria.
G1