sexta-feira, janeiro 20, 2017

Encontrada caixa-preta do avião que caiu com ministro do STF, diz FAB

Na noite de quinta-feira, logo depois da queda do avião, a FAB havia comunicado à revista Veja que a aeronave modelo King Air C90GT, da Hawker Beechcraft não tinha o dispositivo.
A caixa-preta que registra as conversas do piloto foi encontrada pelas equipes que investigam a queda do avião em Paraty que matou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki e mais quatro pessoas. O gravador será agora encaminhado ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa), em Brasília, para avaliação.
“A equipe de investigadores da Aeronáutica localizou nesta sexta-feira o gravador de voz (cockpit voice recorder – CVR) da aeronave PR-SOM, acidentada em Paraty”, confirmou a Força Aérea Brasileira (FAB), em nota.
Na noite de quinta-feira, logo depois da queda do avião, nas proximidades de Ilha Rasa, a FAB havia comunicado à reportagem da revista Veja que a aeronave modelo King Air C90GT, da Hawker Beechcraft não tinha o dispositivo.
O King Air C90GT, da Hawker Beechcraft, é um turbo-hélice topo de linha considerado seguro. A Anac não exige que o modelo tenha caixa-preta (Beechcraft/Divulgação)
Segundo a assessoria, a confusão se deu porque, como esse tipo de aeronave não é obrigado por lei a ter o dispositivo, a FAB considerou que ele não o possuía. A inexigibilidade de caixa-preta também foi confirmada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A Anac explica que existem dois tipos de equipamentos que integram a caixa-preta: um registra os sons na cabine e o outro, os dados de comando da aeronave. Pela legislação, o C90GT não precisaria ter nenhum desses dispositivos, mas o avião acidentado possuía o gravador de voz.


“Informamos que a aeronave PR-SOM possuía o gravador de voz, embora o equipamento não fosse obrigatório para o modelo C90GT, com operação privada”, disse a agência em nota a Veja.
A aeronave registrada sob o prefixo PR-SOM foi fabricada em 2006 e estava registrada em nome de uma empresa de Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, dono do Hotel Emiliano, que também morreu no acidente. Os certificados estavam em dia, conforme dados da Anac. O registro de aeronavegabilidade valia até 2022, e o de inspeção de manutenção, até abril deste ano.
O C90GT é um turbo-hélice topo de linha considerado seguro. “É um dos modelos mais famosos, bastante confiável, e consegue voar até mesmo com um só motor”, disse o piloto Luís Guilherme Andrade, 45 anos, também dono da escola de aviação Fly Training Center. De acordo com a Flight Safe Foundation, organização que compila informações sobre acidentes aéreos em todo o mundo, desde 2010 ocorreram oito acidentes com o modelo, resultando em 11 mortes.
 Fonte: Veja Online