quarta-feira, março 08, 2017

'Cidadão de bem não tem direito de viver', diz irmã de PM morto no Piauí

'Nada vai trazer meu irmãozinho de volta', diz irmã de PM morto (Foto: Samantha Rodrigues/ G1)
Após a morte de um policial militar na Zona Leste de Teresina nesta terça-feira (7), as pessoas que socorreram a vítima e a família que perdeu o ente falam em frustração e revolta. Segundo informações da Polícia Civil, o cabo Valdir Mendonça do Vale, 43 anos, tentou impedir um assalto quando foi morto a tiros na Avenida Jockey Clube.
Cabo Moacir Silva levou o PM baleado para o hospital (Foto: Samantha Rodrigues/ G1) O fotógrafo Thiago Amaral tinha acabado de almoçar e saia de um restaurante quando escutou os tiros. O profissional viu o policial baleado no chão e correu para socorrê-lo. “Percebi que ele estava portando uma arma, que usava um cinto da polícia e que estava ferido. Tirei a camisa para tentar estancar o sangue, falei com ele, sabia que ele estava me ouvindo, mas ele não tinha mais forças para falar. Alguns curiosos e outros policiais a paisano começaram a chegar ao local. Quando a viatura chegou, o colocamos dentro. Ele perdeu muito sangue e infelizmente depois recebemos a notícia que ele tinha vindo a óbito", falou para o G1.
Mateus Sá Oliveira, de 18 anos, levou um tiro no pescoço em, Teresina(Foto: Samantha Araújo/G1)
O cabo Moacir Silva, do 5º Batalhão da PM, fazia rondas pela região da Zona Leste de Teresina quando recebeu o chamado sobre o ocorrido. Ao chegar ao local, o policial colocou a vítima dentro do carro e a levou para o HUT. "Nós trabalhamos de dia e ele estava escalado para trabalhar hoje à noite e infelizmente aconteceu isso. Nossa maior preocupação era trazer ele com vida ao hospital, viemos todo o percurso tentando estancar o sangue, tentando reanimar, mas ele perdeu muito sangue no local. Muito triste essa situação de ver nosso companheiro de trabalho naquele estado", contou o militar. O delegado Francisco da Costa, o Baretta, afirmou que o crime é tratado como latrocínio, roubo seguido de morte. "Nesse caso a investigação já entende como um latrocínio porque o bandido queria cometer um roubo e o policial tentou impedir. Já sabemos que o criminoso foi ferido na perna, mas ainda não procurou atendimento médicos", disse o delegado de homicídios.

A Polícia Militar do Piauí realiza diligências para identificar e prender os responsáveis. O corpo de Valdir Mendonça foi liberado pelo HUT e levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), onde irá passar por procedimentos que detalhem como o militar perdeu a vida.
Jovem também foi baleado
Mateus Sá Oliveira, de 18 anos, foi atingido por uma bala no pescoço durante troca de tiros que terminou com a morte do policial militar Valdir Mendonça na Avenida Jockey Clube. O jovem estava dentro de um ônibus quando foi atingido. Com o ocorrido, o próprio coletivo levou a vítima para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Após avaliação, o estudante teve alta horas depois.
Segundo informações do HUT, o estudante realizou exames e seu estado de saúde é estável, sem risco de morte. Uma tomografia revelou que a bala entrou no corpo próximo a nuca, pelo lado direito da vítima. Avaliações médicas mostraram que o projetil não atingiu nenhum órgão vital e queestá descartada uma cirurgia para retirada da bala.
Fonte: G1