.Publicidade

.Publicidade

quinta-feira, junho 08, 2017

Barcos de pesca são apreendidos durante operação em Luis Correia

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em parceria com o Grupo Especial de Polícia Marítima (GEPOM) da Polícia Federal de Parnaíba, deflagraram na manhã desta quinta-feira (08/06) em Luís Correia, litoral do Piauí, uma operação de fiscalização e de combate a pesca irregular. Dois barcos foram apreendidos e oito pescadores foram autuados.
Segundo informações da 5ª Coordenadoria Regional do ICMBio, os barcos apreendidos foram flagrados dentro de uma área de delimitação que proíbe a “pesca de arrasto” para caçar de forma predatória o camarão rosa. A atividade pesqueira desta forma prejudica outras espécies juvenis de peixes, de acordo com ambientalistas.
“A pesca de arrasto é permissionária pelo Ministério da Pesca. Só que esses pescadores foram flagrados dentro das três milhas náuticas (a menos de quatro quilômetros da costa), o que é proibido nos estados do Piauí, Ceará e Pernambuco. A infração só se agravou por estarmos dentro da Área Proteção Ambiental do Delta do Rio Parnaíba. O impacto é tão grande que de cada 50 quilos de fauna associada que eles trazem, cinco são de camarão que é o principal alvo deles”, explicou o agente do ICMBio, Alexandre Caminha.

Ao todo, duas embarcações, vários apetrechos de pesca e cerca de 90 Kg de pescados foram apreendidos. Além disso, oito pescadores e dois empresários foram autuados, e deverão responder no Ministério Público Federal. Eles foram enquadrados dentro do artigo 35 do Decreto de Lei nº 6.514 e podem ser multados de R$ 700,00 (setecentos reais) a R$ 100 mil (cem mil reais). O camarão e os peixes serão doados a entidades filantrópicas.
Pescadores reivindicam
A fiscalização foi tratada com muito respeito pelos pescadores. No entanto, eles reivindicam que um estudo ambiental mais aprofundado seja realizado para que a fauna marítima continue preservada, sem afetar bruscamente a atividade comercial, única fonte de renda deles.
“Os agentes do ICMBio estão correto, pois estão cumprindo a lei. O que nós pescadores queríamos era que um estudo mais aprofundado fosse realizado, pois pela nossa experiência sabemos que é impossível pegar camarão fora das três milhas náuticas. Se essa área é proibida por lei, como poderemos manter essa atividade comercial?”, indagou o pescador Antônio Marcos.
A operação contou com a participação de seis agentes do ICMBio e de dois policiais federais de Parnaíba.
CONFIRA AS FOTOS:
Por Kairo Amaral 
Fotos: Francisco José