.Publicidade

.Publicidade

quarta-feira, junho 21, 2017

Operação prende 8 pessoas no Piauí; ex-prefeitos são presos

O Ministério da Transparência, a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal (PF) deflagraram na manhã desta quarta-feira (21), no Piauí, a Operação Pastor. O objetivo é desarticular a organização criminosa responsável por desviar recursos públicos federais no Município de Dom Inocêncio.
Os desvios envolvem as verbas nas áreas de educação, integração nacional e saúde. Até o momento o prejuízo já chega na casa dos R$ 5 milhões. A operação Pastor cumpre dois mandados de prisão preventivas e seis de prisões provisórias, cinco conduções coercitivas e 14 mandados de buscas e apreensão em Dom Inocêncio, São Raimundo Nonato e em Teresina.
Participam da ação mais de 60 agentes, entre policiais federais, auditores e técnicos da CGU. A CGU contribuiu com a investigação ao não constatar a realização, por parte do município de Dom Inocêncio, de obras conveniadas com a CODEVASF e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).
A apuração também demonstrou que a empresa integrante da organização criminosa recebeu valores por serviços que não foram feitos.
A investigação inciada pela PF, além de constatar irregularidade em Dom Inocêncio, no período de 2009 a 2012, a empresa continuava com as práticas ilícitas, além de expandir a atuação fraudulenta para outros municípios.
Os mandados de prisão foram expedidos pelo juiz da subseção judiciária de São Raimundo Nonato.
Prisões
A operação de combate a corrupção no Piauí e a prática de desvio de recursos públicos envolve ex-gestores e já conta com a prisão de ex-prefeito. A Polícia Civil prendeu na manhã quarta-feira o ex-prefeito de Piripiri Odival Andrade (PSB), acusado de apropriação de documentos públicos da prefeitura municipal.
Ele foi preso na zona rural de Piripiri, com documentos em uma caminhonete. Ele foi levado para a delegacia da região. Às 13h30 ele foi libertado após pagamento de fiança equivalente a 10 salários mínimos.
A Polícia Civil deteve o ex-prefeito de Piripiri, Odival Andrade, por suposta ocultação de documentos, no povoado Salvado, na zona rural do município.
A Operação conta com o apoio da Polícia Federal do Ceará e do Maranhão.
O procurador da República, Patrício Noé da Fonseca, disse que o ex-prefeito de Dom Inocêncio é o líder da organização. Segundo o procurador, o ex-prefeito fazia licitações fraudulenta, fraudes em contratos, desvios de recursos federais, o que impedia obras nas áreas de educação e saúde, e construção de cisterna e reformas de escolas.
Patrício Noé da Fonseca explica que mesmo após deixar a prefeitura, Inocêncio Leal Parente continuava com a prática que foi expandida para outros municípios.
“Como gestor, o ex-prefeito assinava os empenhos, contratos de obras, e o resultado das licitações”.
O procurador afirmou que existem interceptações telefônicas mostrando que o ex-prefeito combinava a empresa vencedora das licitações.
A Operação Pastor está sendo coordenada polo delegado Albert Paulo.
Balanço
O coordenador da Operação, delegado Albert Paulo, informou que foram presas 8 pessoas no Piauí. Os agentes da Polícia Federal ainda estão procurando um ex-funcionário da prefeitura de São Raimundo Nonato, que trabalha em Brasília, para efetuar condução coercitiva.
Ele informou que mais 15 municípios do Estado usam o mesmo esquema de fraudes em licitações e desvio de recursos públicos.
“São recursos destinados a melhorar a vida da população que não eram aplicados, pois havia fraudes em licitações”, declarou.
O superintendente em exercício da Polícia Federal no Piauí, Carlos Alberto Nascimento, disse que a operação foi uma ação de combate ao crime organizado na repressão ao desvio de recursos públicos e para estancar a sangria de recursos destinados a educação, saúde e saneamento.
Segundo ele foram cumpridos 17 mandados de prisão preventivas e temporários, entre os presos estão secretários municipais de finanças e administração de Dom Inocêncio, além de mandado de busca e apreensão.
Fonte: Meio Norte