.Publicidade

.Publicidade

segunda-feira, agosto 14, 2017

Déficit nas contas do Governo será maior do que o previsto

Segundo a Seplan, Recursos do FPM e da repatriação foram menores do que o previsto pelo Governo do Estado.
O governo ainda não sabe precisar como o Estado deve finalizar o ano com relação às finanças, mas garante que as despesas irão superar os valores da receita. Nesses oito meses do ano foi possível observar, segundo o Secretário de Planejamento Antônio Neto, que a recessão na economia nacional vai afetar ainda mais o cenário local. 
De acordo com o gestor, a distribuição do fundo de participação entre as federações e o valor do repatriamento foi muito abaixo do que o esperado e repercutiram no cálculo de receita para o final do ano. “Só nesse mês de agosto, nas primeiras parcelas do fundo de participação tivemos 10% negativo, foram 10% menor do que o ano passado. É certo que vamos chegar ao final do ano com déficit, só precisamos saber o tamanho dele”, disse. 
O Estado já tinha previsto, quando realizou a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017, que as contas não iriam fechar, mas não contava com a piora da economia nacional, segundo Antônio Neto. “Fizemos uma previsão de resultado primá- rio negativo, ou seja, quando as receitas financeiras são menores que as despesas, uma previsão de R$ 800 milhões negativo na LOA. Pelo cenário que está sendo desenhado a possibilidade dos estados terminarem com déficit é muito grande”, declarou. 
Antônio Neto afirmou que a política de contenção de gastos e cortes de despesas deve continuar no Estado. “Vamos ter que fazer ajustes até o final do ano, cortar muitas despesas, inclusive de investimento, para podermos chegar, pelo menos, ter cumprindo as despesas obrigatórias ao final do ano. Quando você tem obrigações que não podem deixar de cumprir é preciso cortar os investimentos. Se a união não sair da crise, os estados vão entrar em uma situação delicada”, pontuou.
(Foto: Elias Fontenele/ O Dia)