.Publicidade

.Publicidade

segunda-feira, outubro 09, 2017

Piauienses já pagaram mais de R$ 7 bilhões em impostos só este ano

No Piauí, a arrecadação de impostos chegou aos R$ 7,2 bilhões, considerado o período de 1º de janeiro até a última sexta-feira. E em Teresina, o montante acumulado superava R$ 370 milhões.
O professor Eduardo Oliveira, mestre em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Ceará (UFC), explica que a grande distorção presente no Brasil está justamente no fato de que a maior incidência de tributos ocorre de forma indireta, na perspectiva de renda, impactando diretamente o consumo. Ou seja, há uma cobrança maior de impostos indiretos (que não levam em conta o quanto a pessoa ganha, mas apenas o quanto ela consome) e uma menor cobrança de impostos diretos (que incidem diretamente sobre a renda da pessoa, isto é, quanto maior a renda, maior o tributo).
“Aquele que tem uma elevada renda, como o apresentador e empresário Luciano Huck, por exemplo, paga o mesmo tributo de consumo que um trabalhador que ganha apenas um salário mínimo”, destaca Eduardo Oliveira, que é professor de Economia Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI).
Um relatório produzido pela ONG Oxfam Brasil é taxativo ao afirmar que o sistema tributário do país reforça as desigualdades socioeconômicas. “O efeito da tributação no Brasil é, no geral, de aumentar a concentração da renda ou, no mínimo, não a alterar. Trata-se de uma situação já resolvida na maioria dos países desenvolvidos (onde a tributação, de fato, distribui renda), e que compõe barreira estrutural na redução de desigualdades no Brasil. Apesar de nossa carga tributária bruta girar em 33% do PIB – nível similar ao dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) – ela é mal distribuída, de modo que os mais pobres e a classe média pagam muito mais impostos proporcionalmente que pessoas com rendas muito altas”, diz um trecho do relatório.
Fonte: Portal ODIA