Publicidade

Publicidade

terça-feira, dezembro 26, 2017

PMs são presos após matarem criança de 9 anos em abordagem equivocada

Veículo onde estava a vítima não teria obedecido ordem de parada. Os pais da criança também foram baleados. Polícia Militar apura circunstâncias da perseguição. Os policiais militares que participaram de uma perseguição na zona Leste de Teresina na madrugada desta terça-feira (26), foram levados para o Presídio Militar após matarem uma criança de 9 anos durante abordagem na Avenida João XXIII. A menina, de iniciais E.M.C da C. foi atingida no peito após o veículo onde ela estava ter sido perseguido por uma viatura por não obedecer a ordem de parada dada pelos policiais do 5º BPM.
A informação é da porta-voz da Polícia Militar, coronel Elza Rodrigues. De acordo com ela, ação se iniciou em uma barreira montada na Avenida Nossa Senhora de Fátima, próximo ao cruzamento com a Jóquei Clube. Um veículo informou aos policiais que estava sendo perseguido por um carro modelo Renault Clio que vinha logo atrás.
Assim que avistaram o veículo com as descrições passadas pelo condutor, os policiais deram ordem de parada, mas ela não foi obedecida. “O motorista do Clio acelerou em direção à Avenida João XXIII e a viatura saiu em perseguição, só conseguindo pará-lo na altura da Alemanha Veículos após serem efetuados disparos. Em depoimento, ele disse que não parou porque estava sem a cadeirinha infantil no banco de trás”, relata a coronel Elza.
Os tiros dados pelos policiais perfuraram os vidros do carro e atingiram Evandro da Silva Costa, 31 anos, na orelha; Daiane Félix Caetano, 26 anos, no braço; e a filha do casal, que tinha apenas 9 anos, no tórax e nas costelas. A menina foi levada em estado grave para o HUT, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito por volta das 5h45min desta terça.
A Polícia Militar informou que está apurando todo o ocorrido e possíveis falhas na abordagem dos policiais e na condução da ocorrência. Os policiais encaminhados para o Presídio Militar foram afastados de seus postos enquanto a investigação está em andamento.
Portal ODIA