Publicidade

Publicidade

sexta-feira, março 16, 2018

Vereadora é morta a tiros no Rio de Janeiro

Marielle Franco, do PSOL, e motorista são assassinados após saírem de um evento para ativistas negras. Parlamentar era conhecida por lutar contra violência e pelas mulheres. Polícia investiga hipótese de execução.
Marielle, de 38 anos, foi a quinta mais votada nas eleições de 2016, sua primeira disputa eleitoral.
A vereadora pelo Rio de Janeiro Marielle Franco, do PSOL, foi morta a tiros dentro de um carro na noite desta quarta-feira (14/03), no bairro do Estácio, região central da cidade, pouco depois de sair de um evento para mulheres ativistas negras.
O motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, também morreu. A assessora de Marielle, que também estava no veículo, foi atingida por estilhaços.
Segundo relatos, os atiradores emparelharam um carro ao lado do de Marielle e abriram fogo. A vereadora foi atingida por ao menos quatro tiros na cabeça, e o motorista recebeu três disparos na lateral das costas.
Os criminosos fugiram sem cometer nenhum roubo. A principal hipótese analisada pelos investigadores da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro é a de que teria se tratado de uma execução.
Marielle era conhecida por defender os direitos das mulheres e a inclusão social, além de ser uma crítica ferrenha da violência policial na cidade. Na noite desta quarta-feira, antes de ser morta, a vereadora participou do evento "Jovens negras movendo as estruturas", no bairro da Lapa.
Há duas semanas, a vereadora havia assumido relatoria da comissão da Câmara Municipal do Rio criada para acompanhar a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ela vinha se posicionando publicamente contra a medida.
Aos ser baleada, a parlamentar estava sentada no banco traseiro do carro, que tinha filme escuro nos vidros. A polícia acredita que os criminosos seguiram o veículo e sabiam a posição exata dos ocupantes.
A vereadora de 38 anos foi a quinta mais votada nas eleições de 2016. Em sua primeira disputa eleitoral, ela recebeu 46,5 mil votos. Ela era socióloga e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Sua dissertação de mestrado abordou o tema "UPP: a redução da favela a três letras".
Reações da classe política
A morte de Marielle gerou revolta entre políticos de vertentes diferentes. Em nota, a Executiva Nacional do PSOL manifestou pesar pelo assassinato da vereadora e destacou sua atuação política.
"A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta", diz o texto. O partido também exigiu apuração "imediata e rigorosa" das circunstâncias do crime.
O deputado estadual Marcelo Freixo, colega de partido de Marielle, disse que o crime é "inadmissível" e tem "todas as características de execução". Ele pediu uma apuração rápida do caso e disse que Marielle não havia sido ameaçada.
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, conversou com o interventor federal no Rio e colocou a Polícia Federal à disposição para auxiliar na investigação.
O prefeito Marcelo Crivella lamentou o "brutal assassinato" da vereadora e homenageou sua "honradez, bravura e espírito público".
"Sua trajetória exemplar de superação continuará a brilhar como uma estrela de esperança para todos que, inconformados, lutam por um Rio culto, poderoso, rico, mas, sobretudo, justo e humano", disse Crivella.
Pessoas lamentam a morte de Marielle Franco nos arredores do local do assassinato
O governador Luiz Fernando Pezão destacou o trabalho de Marielle contra a desigualdade social e a violência. Ele disse que acompanha as investigações e aguarda a "punição dos autores desse crime hediondo que tanto nos entristece".
Pelas mulheres e contra a violência
Marielle atuou em organizações da sociedade civil, como o Centro de Ações Solidárias da Maré e a Brasil Foundation. Ela coordenou a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ao lado de Freixo.
Na Câmara Municipal, Marielle presidia a Comissão de Defesa da Mulher. Ela apresentou um projeto para a criação do Dossiê da Mulher Carioca, que tinha o objetivo de fazer com que a prefeitura contabilizasse dados sobre violência de gênero no Rio.
Ela lutou pelo acesso ao aborto na cidade, nos casos previstos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e pela ampliação do número das chamadas Casas de Parto, locais destinados à realização de partos normais.
Na semana passada, Marielle participou ativamente das celebrações do Dia Internacional da Mulher em caminhadas pela Maré, Santa Cruz e no centro do Rio. Ela chegou a questionar no plenário da Câmara a representatividade feminina no legislativo municipal.
"Se este Parlamento é formado apenas por 10%, 13% de mulheres, nós somos a maioria nas ruas. E sendo a maioria nas ruas, somos a força exigindo a dignidade e o respeito das identidades. Infelizmente, o que está colocado aí nos vitima ainda mais", afirmou Marielle no dia 8 de março.
Um dia antes de sua morte, a vereadora divulgou uma mensagem no Twitter condenando a violência policial e a ação da Polícia Militar.