quarta-feira, dezembro 05, 2018

Surdo-mudo tenta assaltar posto com bilhete na mão, mas é preso

             O homem foi contido e encaminhado para a Central de Flagrantes
Funcionários de um posto de combustíveis em Curitiba foram surpreendidos na manhã desta quarta-feira (5) por um homem surdo-mudo e entregou um bilhete anunciando um assalto. Segundo informações preliminares da Polícia Civil do Paraná, ele foi preso em flagrante no estabelecimento, localizado na Avenida Presidente Getúlio Vargas.
Quando uma atendente leu a mensagem do suspeito, que anunciava um assalto e avisava que ele estava armado, se afastou dele e chamou o gerente. Em seguida, o homem foi contido e encaminhado para a Central de Flagrante da capital paranaense, onde testemunhas estão sendo ouvidas pelo delegado de plantão Fábio Machado.
Segundo consta no boletim de ocorrência, a vítima relatou que o homem se dirigiu ao caixa e lhe entregou um bilhete com os dizeres: "Fique quieto não mexe eu tenho arma aqui na cintura passa dinheiro rápido eu não quero mostra arma quieto (sic)".
Demonstrando não poder ouvir ou falar, simulou estar armado. No entanto, ao ser abordado por policiais militares, foi constatado que não havia arma de fogo com ele. Ainda de acordo com o registro policial, o suspeito usou um pedaço de papel para se identificar como Rafael Susin.
Na delegacia, segundo a Tribuna do Paraná, foi preciso uma intérprete para entender o ladrão. O homem já conseguiu assaltar outros três locais com a mesma tática. 
“Quando eu dei bom dia e ele não respondeu, falei novamente. Nisso ele entregou o bilhete dizendo que era assalto e eu até achei que poderia ser uma pessoa com problemas, mas percebi pelos sinais que ele fazia que ele realmente queria assaltar”, contou a funcionária, que tem 19 anos e não foi identificada.
Segundo a jovem, quando viu que estava em apuros, mas que o assaltante não ofereceria riscos, chamou o frentista. “Gritei por ajuda e falei da situação, nisso o frentista mesmo já viu que ele não estava armado e o seguramos até à Polícia chegar”.
Fonte: Meio Norte