quarta-feira, janeiro 02, 2019

Câmara aprova o Plano Municipal de Saneamento Básico em sessão atípica

O ano 2018 terminou com uma clássica queda de braços entre a situação e oposição no parlamento parnaibano. O governo municipal do prefeito Mão Santa conseguiu aprovar o Plano de Saneamento Básico de Parnaíba, mas a oposição conseguiu também ditar algumas regras consideráveis na matéria.
Pelo menos quatro emendas supressivas foram aprovadas pelos vereadores da oposição, eles consideraram os artigos modificados no voto do plenário, como polêmicos e inconstitucionais.
A matéria possui importância para o município, uma vez que, aprovado o plano, a prefeitura fica em dia com a justiça e com o governo federal para poder receber recursos federais na área.
A oposição só saiu vitoriosa dessa batalha no parlamento, por causa da ausência de um vereador. Irmão Marquinhos (PSL), que compõe a base aliada do prefeito não compareceu a sessão na câmara, ele alegou problemas de saúde.
Se estivesse presente, o vereador deixaria empate os resultados de cada proposta que a oposição apresentou. Dessa forma, o voto do presidente Geraldo Alencar (PSB), entraria como minerva, ou seja, desempataria o resultado.
Uma sessão com registros de muitos gritos e opiniões contrárias às ideias que foram discutidas. O vereador Francisco da Paz (PRB), foi intimidado por um manifestante presente no plenário. Equipes da Polícia Militar presentes na sessão tiveram que se acampar ao lado do vereador, a fim de manter a ordem.
Do resultado que foi aprovado na última sessão do ano 2018, o governo contesta que saiu derrotado. Secretários do primeiro escalão confirmaram que, Mão Santa vetará as emendas que a oposição conseguiu aprovar.
“Ele pode até vetar, mas essa casa vai votar se aprova o veto do prefeito, ou não. De qualquer forma, nós daremos a última palavra novamente” disse o vereador Reinaldo Filho (PTB).
Sobre as declarações do vereador Reinaldo Filho dadas em entrevista à Rádio Cidade, a Secretária de Infraestrutura Maria das Graças Moraes Souza rebateu.
“Para derrubar um veto será preciso doze votos, eles são doze vereadores?” questionou a secretária.
Gracinha deixou claro ao final da sessão que aqueles votaram contra o município, fizeram isso por acreditarem em promessas do governo, que segundo ela, abandonou Parnaíba.
Por Tiago Mendes - BTM