Juíza concede liberdade a homem que fingiu ser procurador federal no Piauí

A Polícia Civil recebeu ordem para colocar em liberdade nesta sexta-feira (22/03) o homem que foi preso em flagrante como suspeito de fingir ser procurador da Justiça Federal em cidades do Piauí. As informações são do Blog do Evangelista.
A juíza da Comarca de Paulistana, Luciana Claudia Medeiros de Souza, arbitrou uma fiança de acordo com as condições econômicas do suspeito para sua liberação.
Júlio Marques de Oliveira foi preso nesta última quarta-feira (20/03) pela Polícia Civil e a Força Tática, sendo autuado por falsificação de documento público, uso de documento falso e fingir ser funcionário público.
Sobre o caso 
Um homem foi preso suspeito de se passar por procurador de justiça na cidade piauiense de Paulistana. 
A Força Tática e a Polícia Civil tomaram conhecimento que um homem recém chegado à cidade estava se apresentando como sendo procurador de justiça nos estabelecimentos comerciais e públicos e que havia indícios de falsificação na documentação apresentada.
Equipes diligenciarão e localizaram o homem identificado Júlio Marques de Oliveira, 38 anos de idade, natural do Paraná.
“No ato da abordagem, o falsário confesso tentou se desfazer da carteira de bolso que portava, jogando-a fora sorrateiramente, momento em que foi solicitado a sua esposa, que o acompanhava, a referida carteira, sendo localizada e por ela apresentada a mesma, que continha uma CNH emitida no Estado do Ceará, um documento de Porte de Arma Institucional, de “Procurador da Justiça” do Ministério Público Federal, com matrícula funcional “38934-PR”, uma Carteira de Habilitação Náutica de Amador da Capitanias dos Portos de SP, além de uma carteira de bolso, com brasão da República e identificação de membro do Ministério Público Federal (MPF), 12 cartões de visita, em nome do MPF em seu nome como “Procurador Federal”, informou a polícia.
O homem confessou que realmente os documentos eram falsos e após uma consulta em órgãos de segurança do Estado do Paraná foi constatado que este já respondia por usurpação de função pública naquele estado. Perguntado pelos policiais sobre o motivo de se apresentar como “membro do MPF”, o homem disse que sente “uma necessidade de se apresentar assim, porque é um desejo muito grande de que fosse o que falsamente diz ser”.
Diante dos fatos, o falso procurador e toda documentação foram apresentados na 12ª Delegacia Regional de Polícia de Civil de Paulistana para os procedimentos de praxe.
Não foram divulgadas informações sobre a autuação e nem sobre uma vítima específica.
Com informações 180Graus

Share on Google Plus

Folha de Parnaíba

Repórter e comunicador, funcionário público concursado, idealizador do Portal Folha de Parnaíba. Pessoa humilde e trabalhador, autêntico, verdadeiro e temente a Deus. Email: folhadeparnaiba@hotmail.com .