Vergonha! População se une e faz bingos para construir celas em delegacia no Piauí

                                                   Placa em agradecimento
O delegado-geral da Polícia Civil do Piauí, Lucy Keyko, informou que agradeceu ao promotor Marcelo pela iniciativa. A construção aconteceu após audiência entre o promotor e a Secretaria de Segurança Pública. Segundo o delegado, se a construção das celas fosse encabeçada pela secretaria a obra demoraria mais para ser concluída, devido à burocracia de processos licitatórios.
Três celas foram inauguradas na última terça-feira (10) na delegacia regional de Piripiri, fruto da mobilização dos moradores da cidade e do Ministério Público. A obra foi financiada por uma campanha que mobilizou empresários, órgãos da sociedade civil e moradores que organizaram bingos, contribuíram com dinheiro, material de construção e até horas de trabalho.
Antes da construção, uma grade instalada no interior de uma sala da delegacia de Piripiri servia de cela para os presos. O espaço media cerca de 1,5 m x 4 m. “A cela mais parecia uma gaiola”, disse o promotor de Justiça Marcelo de Jesus Monteiro, que iniciou a campanha para a construção das celas.
                                         Delegacia geral agradeceu iniciativa
“Em uma mesma situação, poderiam ser presos por exemplo um homem, uma mulher e ser apreendido um adolescente. Como você vai botar em uma mesma ‘celinha’ improvisada essas três pessoas?”, comentou o promotor.
Por essa necessidade foram construídas três celas. A mobilização foi iniciada no mês de maio. “Todos os dias eu conversava com empresários, entidades, e a população abraçou a causa. Tivemos o apoio de todos e entregamos as celas, todas com banheiro, ventiladas e pintadas”.
O delegado-geral da Polícia Civil do Piauí, Lucy Keyko, informou que agradeceu ao promotor Marcelo pela iniciativa. A construção aconteceu após audiência entre o promotor e a Secretaria de Segurança Pública. Segundo o delegado, se a construção das celas fosse encabeçada pela secretaria a obra demoraria mais para ser concluída, devido à burocracia de processos licitatórios.
“Explicamos a ele que teríamos que começar um processo licitatório, toda a padronização legal. O próprio promotor Marcelo que disse que tentaria obter ajuda da população”, disse o delegado Lucy Keyko. Segundo ele, o projeto para a construção das celas foi fornecido pela própria Secretaria de Segurança Pública.
A placa instalada na entrada da carceragem conta a história inusitada: “A sociedade organizada financiou a construção desta Ala da Delegacia Regional de Piripiri com 3 celas de contenção prontas para uso. Toda a obra foi coordenada de graça por Toinho Construtor, a quem efusivamente agradecemos. A prestação de contas está na recepção deste prédio à disposição de qualquer cidadão”, diz a placa.
A campanha recebeu doações em dinheiro e em material de construção, e até mesmo de pedreiros, que contribuíram trabalhando na construção das celas.
“Me sensibilizou uma associação de moradores que disse que arrecadou R$ 150, e que fariam um bingo para aumentar o valor da ajuda”, relatou. A campanha continua para cobrir as dívidas feitas com lojas de material de construção.
Sindicato de delegados critica construção
O Sindicato dos Delegados de Polícia do Piauí, contudo, criticou a construção de celas na delegacia. Em entrevista ao G1, o presidente do sindicato, delegado Higgo Martins, considerou a construção um “retrocesso”, já que coloca nas mãos dos policiais civis a atribuição de custodiar os presos. Para o delegado, a existência das celas prejudicaria investigações.
“Delegacia não é lugar para manter presos. Eles devem ir para o sistema penitenciário. O que deveria acontecer era a ampliação de vagas no sistema prisional. Essa situação de delegacias com celas atrapalha a investigação. Agente de polícia deve estar nas ruas, investigando. É isso que a sociedade deseja”.
Para o delegado, o que deveria ser construído são salas de contenção, diferentes de celas, onde ficariam os presos até ser encaminhados de imediato para o sistema prisional.
“Até por que os presos também têm seus direitos, a visita e alimentação. A Polícia Civil não tem como arcar com mais essa demanda de custódia de presos”, disse.
Fonte: G1

Compartilhar no Google Plus

Folha de Parnaíba

Repórter e comunicador, funcionário público concursado, idealizador do Portal Folha de Parnaíba. Pessoa humilde e trabalhador, autêntico, verdadeiro e temente a Deus. Email: folhadeparnaiba@hotmail.com .