quinta-feira, dezembro 12, 2019

Padre é preso por estupro de menor em banheiro de shopping em São Paulo

Na última segunda, 9, dois meninos de 14 e 13 anos, que tiravam um trocado vendendo balas perto do Shopping La Plage, no Guarujá, quando foram interceptados por Anderson de Moraes Domingues, de 43 anos, que vem a ser padre católico. Ao serem oferecidos comida, no caso milkshake e sanduíche do McDonald’s, os garotos entraram com o homem dentro do centro de compras. Desconfiados das reais intenções do sujeito, um dos garotos fez o alerta a um segurança do local.
Meninos e padre passaram a ser monitorados na praça de alimentação — quando notou-se o sumiço do homem com um dos meninos. Ao descobrir que tinham se dirigido ao banheiro, seguranças foram até o local, onde viram pelo vão da porta trancada: o padre estava com a calça abaixada e tentava encostar seu órgão genital nas nádegas do garoto, também despido.
Com a intervenção da equipe do shopping, a presa conseguiu fugir de seu algoz pelo vão. A porta precisou ser arrombada para o padre ser preso em flagrante. O clérigo foi preso por estupro e favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável e encaminhado à cadeia anexa ao 1º DP da cidade. Os meninos afirmaram às autoridades que o padre fez sexo oral no garoto de 14 anos.
Anderson de Moraes Domingues formou-se padre no dia 14 de dezembro de 2007 e atua na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no parque Ypê, em São Paulo. Até o momento, a Diocese do Campo Limpo nunca havia registrado nenhuma denúncia de abuso sexual contra ele. Domingues estava em seu dia de folga da igreja, a segunda-feira.
Procurada por VEJA, a Diocese de Campo Limpo emitiu a seguinte nota: A Diocese de Campo Limpo tomou informalmente, conhecimento de alegados fatos relacionados ao padre Anderson Moraes Domingues, os quais ainda serão devidamente averiguados. Os alegados fatos serão investigados pelas autoridades competentes, devendo ser apurado e punido qualquer que seja o delito cometido. A Diocese de Campo Limpo, através do seu Bispo Diocesano, comunica que serão tomadas, no âmbito eclesiástico, as medidas cabíveis segundo a legislação Canônica e que repudia qualquer tipo de comportamento em desobediência à legislação Civil, Canônica, à moral e aos bons costumes da sociedade. Prosseguimos comprometidos em seguir as determinações da Igreja para tais casos, além de estar, através de seus membros, unida em oração pelos que sofrem.