sábado, junho 06, 2020

Deputada Joice Hasselmann é acusada de manter "gabinete do ódio" contra bolsonaristas; VÍDEO

A deputada federal Joice Hasselmann foi acusada de manter o próprio gabinete de propagação de fake news contra inimigos, chamados de “gabinete do ódio”, com dinheiro público. A denúncia foi feita por uma testemunha ouvida pela CNN Brasil. VEJA O VÍDEO:
                                                  Foto reprodução
– Serviços que eram prestados para a Joice eram sempre de montagem de vídeos e criação de narrativas, uma notícia falsa sem saber de fato se era verdadeira. A gente criava a narrativa em cima dessas notícias – diz uma pessoa entrevistada sob anonimato. 
Outra testemunha relata que trabalhou mais de 1 ano com a deputada e que neste período a função de contratados era criar perfis falsos nas redes, os chamados “robôs”.
– E ainda cobrava que a gente enviasse para ela para provar que estava sendo feito. Teve uma época que ela pediu para a equipe toda fazer pelo menos cinco perfis em cada rede social – disse.
A CNN Brasil também mostrou supostas conversas entre assessores de Joice, em que um deles repassa a ordem de criar os perfis. “É pra fazer sem mimimi. Ou faremos o que ela quer, ou quem não fizer estará fora”, diz uma das mensagens enviadas a um grupo de assessores.

Em outra mensagem, a deputada manda uma funcionária colocar todos os perfis para trabalharem no Twitter. A assessora relata a dificuldade de se criar novos perfis porque eles são atrelados a números de telefone. Em busca de uma solução, a mesma assessora questiona uma pessoa não identifica sobre a possibilidade de adquirir novos números de telefone para que novos perfis sejam criados.
Em sua defesa, Joice acusou a CNN Brasil de atuar em favor do governo e de fazer propagando para Bolsonaro.
– A CNN Brasil mente, usa montagem amadora que qualquer um de inteligência mediana enxerga, fica 45 minutos batendo numa tecla que foi “requentada” com uma fraude e coloca uma inimiga política bolsonarista para falar quase meia hora ao vivo. Isso não é jornalismo. É assessoria pro governo – disse. 
* Com informações do Pleno News