sexta-feira, julho 17, 2020

Empresários do setor de turismo pedem flexibilização de decretos em Luís Correia

                                               Foto: Luiz Graça
Empresários e trabalhadores do setor do turismo realizaram uma manifestação na frente da sede da Prefeitura de Luís Correia, no Litoral do Piauí, na manhã desta quinta-feira (16). O grupo defendeu uma maior flexibilização das medidas protetivas para o retorno do setor.
O prefeito de Luís Correia, Kim do Caranguejo (PSB) e o presidente da Associação Comercial da cidade se reuniram em audiência com o promotor da comarca. A prefeitura apresentou uma minuta com as reivindicações dos empresários, mas o Ministério Público recomendou que o decreto do estado seja mantido e negou flexibilização.
Na decisão, o MP levou em consideração a estrutura da saúde em Luís Correia, que já registrou 349 casos confirmados e 11 mortes por Covid-19. O município não conta com leitos de UTIs e enfermarias para pacientes infectados pelo novo coronavírus, dependendo da cidade de Parnaíba.
Os empresários afirmam que são a favor das medidas sanitárias e cuidados contra a disseminação do coronavírus, mas exigem flexibilização dos decretos. O protesto não causou o bloqueio de ruas da cidade.
Durante o protesto, os manifestantes exibiram faixas com mensagens como "Retorno do Turismo com responsabilidade”. Cerca de 30 veículos fizeram um buzinaço e as faixas foram fixadas nas praças do entorno da prefeitura.
O decreto da Prefeitura de Luís Correia, publicado nessa terça-feira (14), estabelece um calendário de retorno das atividades econômicas e de educação. Sobre o setor de turismo, o documento estabelece protocolos de segurança entre os dias 20 de julho a 20 de agosto.
Segundo o decreto, o setor de hotelaria e transporte de passageiros deverão suspender todos os serviços referentes a lazer e turismo. Restaurantes, dentro e fora dos hotéis, devem trabalhar apenas com serviços de entrega e drive-thru. Os passeios e práticas de esporte nas praias, lagoas e dunas da região também estão proibidos.

Pontos turísticos
A empresária Joselina dos Santos, dona de uma pousada em Luís Correia, disse que os empresários e trabalhadores do setor pedem que os pontos turísticos (praias, lagoas, dunas) sejam liberados, e que possam ser visitados respeitando as normas de distanciamento social e evitando aglomerações. Os manifestantes pediram também que haja mais rigor no monitoramento da saúde dos habitantes.
Segundo a empresária, em reuniões anteriores com membros da prefeitura, os empresários teriam recebido indicativos de que os decretos seriam mais flexíveis e foram surpreendidos com um novo decreto nessa terça (14). “Nós queremos trabalhar cumprindo os protocolos de segurança. Podemos trabalhar com capacidade reduzida, com distanciamento, mas de forma segura”, disse.
A empresária comentou que os trabalhadores do setor estão sendo fortemente atingidos pelos reflexos negativos das medidas do isolamento social sobre o turismo, que é a principal atividade econômica e fonte de renda da região.
“Essa manifestação não é só dos empresários, dos donos de pousadas e restaurantes. É uma manifestação de todos que dependem do setor: flanelinhas, vendedores ambulantes, motoristas, garçons, pescadores, entre outros. Estamos todos na mesma luta”, disse a empresária.
Fonte: G1/PI