domingo, setembro 06, 2020

Adolescente diz que viu irmã ser morta a facadas pelo companheiro no Sul do Piauí

                                                   Foto: Pedrosa News
A adolescente irmã de Evelin Pedrosa Rodrigues, de 23 anos, contou à polícia que viu a irmã ser morta a facadas pelo companheiro Joab dos Santos Gomes, de 26 anos, no dia 29 de agosto, no município de Paulistana, distante 452 km de Teresina. O delegado Cícero de Oliveira, responsável pelo caso, disse ao G1 que a garota relatou toda a dinâmica do crime durante depoimento.
"Ela estava com a irmã no momento e contou que Joab chegou armado com um machado, procurando saber se tinha algum homem na casa. Ele procurou em todos os cômodos, mas não encontrou ninguém e, a partir daí, iniciou a briga do casal", informou.
De acordo com Cícero de Oliveira, Joab estava com o machado na intenção de agredir algum homem que estivesse com a sua companheira. "A testemunha falou que Evelin chegou a ir para cima do namorado, mas que em nenhum momento ele a agrediu com o machado", disse.
"Joab saiu da casa, Evelin se armou com uma faca e foi atrás dele. Os dois se encontraram próximo da residência, quando ele deu um soco na companheira e ela caiu no chão. Nesse momento, ele pegou a faca da mão dela e deu vários golpes nela, que veio a óbito no local", narrou o delegado.

Segundo a polícia, em seguida o suspeito usou a mesma faca para desferir vários golpes no próprio corpo. Ele foi socorrido em estado grave, e continua internado sem previsão de alta no Hospital Regional Justino Luz, em Picos.
Feminicídio
Para o delegado, está claro que o crime foi um feminicídio, por envolver violência doméstica. Cícero de Oliveira segue ouvindo as testemunhas e, com o avanço da investigação, vai analisar uma possível prisão cautelar do suspeito.
O delegado afirmou que aguarda melhora no estado de saúde dele para ouvir o depoimento e concluir o inquérito policial. Enquanto isso, testemunhas e familiares estão sendo ouvidos na delegacia.
Com a qualificação, Joab, se condenado, pode ser sentenciado a uma pena maior que a prevista para os homicídios "simples", que pode ser de 6 a 20 anos de reclusão. No caso de uma condenação por feminicídio, a pena pode ser de 12 a 30 anos de reclusão.
Fonte: G1/PI