segunda-feira, outubro 25, 2021

Após 23 anos de impunidade, julgamento do caso Donizetti é novamente adiado

A 1ª vara do Tribunal Popular do Júri adiou para a próxima sexta-feira (29/10) o julgamento do ex-vereador e advogado Djalma Filho, acusado de ser o mandante do assassinato do jornalista Donizetti Adalto em setembro de 1998, em Teresina.
O adiamento se deve ao pedido de renúncia do advogado de Djalma Filho que apareceu no Júri sem sua defesa presencial. Ele agora tem até a meia-noite para apresentar novo advogado. O promotor de acusação é Regis Marinho.
O ex-vereador é acusado de homicídio triplamente qualificado e, caso seja condenado, pode pegar uma pena de até 30 anos de prisão.
Também são réus no caso:
Fabrício de Jesus Costa Lima;
Sergio Ricardo do Nascimento Silva;
João Evangelista de Meneses;
Ricardo Luiz Alves de Sousa
O CRIME
O jornalista Donizetti Adalto foi morto na noite de 19 em setembro de 1998, na avenida Marechal Castelo Branco, zona norte de Teresina. O jornalista, que era candidato a deputado federal, estava no carro na companhia do então vereador Djalma Filho, apontado como mandante do crime.
Informações Cidade Verde