sexta-feira, novembro 19, 2021

Professor é preso suspeito de estuprar e assediar aluna de 14 anos em escola de Teresina; VÍDEO

Um professor da rede particular de ensino de Teresina, de 43 anos, identificado apenas pelais iniciais C. D. P. C, foi preso em Fortaleza(CE) na tarde dessa quinta-feira (18), suspeito de estuprar e assediar uma adolescente de 14 anos, que era sua aluna. VEJA O VÍDEO:
De acordo com as investigações, conduzidas pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), os assédios teriam sido cometidos no último mês de outubro, nas dependências da escola, em Teresina. Já o estupro ocorreu dentro do apartamento do suspeito, na zona leste da capital.
Segundo a delegada Lucivânia Vidal, da DPCA, o suspeito era coordenador de olimpíadas na escola e utilizava a influência do seu cargo para intimidar a adolescente. O caso foi denunciado à Polícia pelo pai da adolescente na última terça-feira, 16 de novembro.

“Ele usava a função dele como coordenador, uma autoridade agindo sob influência contra uma aluna adolescente. Ele já sabia que a adolescente não ia ter reação, então ele agia com pressão psicológica. Como coordenador, como autoridade em cima da adolescente, ela sobre pressão psicológica e temor, foi para o apartamento dele ”, explica a delegada.
A delegada informou ainda que suspeito já havia sido demitido do colégio onde trabalhava e estava morando atualmente em Fortaleza, onde também possui residência.
“A gente descobriu que ele não estava mais em Teresina porque o colégio havia demitido e com o receio da fuga do professor, o DPCA e GPE representou pela prisão temporária que foi deferida e nas investigações a gente descobriu que ele estava no Ceará”, acrescenta.
A Polícia Civil acrescentou ainda que foi cumprido um mandado de busca e apreensão na residência do suspeito onde foram apreendidos computador e outros materiais para ajudar no inquérito policial.
No momento, o suspeito encontra-se preso em Fortaleza. A polícia aguarda a transferência do professor para a capital para prosseguir com o inquérito.
A delegada Lucivânia Vidal ressaltou ainda que não houve registro de outras denúncias envolvendo o coordenador, mas não descarta o relato de outras possíveis vítimas.
Fonte: Cidade Verde