terça-feira, janeiro 18, 2022

PF vai investigar se maconha apreendida seria destinada a facção no Piauí

Durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (18), a delegada Gabriela Madrid, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado, afirmou que a Polícia Federal vai investigar se a carga de maconha avaliada em R$ 1,4 milhão, apreendida em Bom Jesus, seria destinada a uma facção criminosa em Teresina.
                                         Foto: Divulgação/PF
O caminhão com mais de 650 kg de maconha foi apreendido no final da tarde dessa segunda-feira (18), durante uma ação conjunta da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e com o apoio da Força Tática da Polícia Militar. A carga vinha de São Paulo e tinha como destino a cidade de Teresina.
Conforme a delegada Gabriela Madrid, a apreensão da carga de maconha é apenas a ponta do iceberg, pois a partir de agora vai ser iniciada uma investigação mais aprofundada, que deve apontar a qual organização criminosa o motorista do caminhão pertence e se a droga seria destinada a uma determinada facção criminosa na Capital.

“Essa seria a ponta de um iceberg. Não é um caso isolado. Com os elementos colhidos até agora nós vamos chegar a outros elementos que vão gerar novas apreensões e novas consequências para esse grupo criminoso. Esse tipo de aprofundamento vai vir agora, com a aplicação das técnicas de investigação mais aprofundadas, todo envolvimento vai ser desvendado e vai estar dentro do inquérito que será submetido ao Ministério Público Federal, a Justiça Federal ou estadual, se for o caso. Os membros da organização criminosa devem ser desvendados em inquérito policial”, ressaltou a delegada Gabriela Madrid.
Durante a coletiva de imprensa, o superintendente da PRF no Piauí, Paulo Nunes, destacou o trabalho conjunto realizado entre as instituições no combate ao crime organizado no Piauí, que culminou com uma das maiores apreensões de droga no estado.
“As operações da Polícia Rodoviária Federal, de forma cooperada com a Polícia Federal, são sempre orientadas por inteligência. Justamente para que esse trabalho seja otimizado e seja bem assertivo e produtivo. Então nessa perspectiva de trabalho conjunto, cooperado, nós temos colhido bastante frutos no que diz respeito não somente a repressão ao tráfico de entorpecentes, mas a diversos ilícitos. As equipes estão diuturnamente nas rodovias, ressalto, orientadas por inteligência, com o intuito de fazer repressão desse tipo de ilícito. Com certeza iremos colher muito mais frutos no ano de 2022”, comemorou Paulo Nunes.
A superintendente da PF no Piauí, Mariana Calderón, também falou sobre o trabalho conjunto entre as inscrições e ressaltou que novas grandes ações serão realizadas em 2022.
“Duas instituições policiais trabalhando juntas que tiveram hoje um resultado que teremos adiante outros resultados, essa é a importância desse trabalho. O que norteia a atividade policial é o princípio da oportunidade, se a gente perde a oportunidade a gente perde um trabalho todo, então é uma apreensão ventosa, mas não só isso, principalmente no começo do ano, então a gente prevê novos trabalhos em breve”, ressaltou a superintendente da PF no Piauí.
A apreensão
A Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal no Piauí (PRF-PI) apreenderam no final da tarde dessa segunda-feira (17), por volta de 17h30, um caminhão com mais de 650 kg de maconha no município de Bom Jesus, no Sul do Piauí. A carga está avaliada em torno de R$ 1,4 milhão.
De acordo com as informações da PRF-PI, o caminhão modelo FORD/CARGO 2429 L vinha de São Paulo com destino a Teresina. A carga de entorpecentes foi encontrada pelos policiais escondida em meio a materiais de reciclagem. No veículo havia, aproximadamente, 650 kg de maconha, dividida em tabletes.
No momento da abordagem, o motorista apresentou-se bastante nervoso ao relatar que o veículo estaria carregado, supostamente, de cerâmica. Questionado novamente, o homem assumiu que em meio a carga havia a droga.
Ele foi preso em flagrante e deve responder pelo crime de tráfico de drogas, podendo pegar até 15 anos de prisão.
Fonte: GP1